Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Tempo da Criação: uma casa para todos, seguindo o exemplo do Padre Dall’Oglio

Por Giada Aquilino – Vatican News – 31/08/2021
A partir de amanhã até o dia 4 de outubro é Tempo da Criação, tradicional tempo ecumênico de cura e esperança. Cecilia Dall’Oglio, do Comitê Diretor Mundial, fala ao Vatican News sobre a edição deste ano e a ligação com a experiência de diálogo de seu irmão Paolo, o jesuíta que está desaparecido na Síria desde 2013. Também os testemunhos de Christina Leaño, co-fundadora do Movimento Laudato si’, e Barbara Battilana, presidente da Agesci

A hospitalidade como uma missão de diálogo, como um compromisso para construir um abrigo para o próximo, “para fazer a nossa parte agora e fazê-la juntos”. Assim Cecilia Dall’Oglio, diretora associada dos programas europeus do Movimento Laudato si’, resume o significado do Tempo da Criação 2021, um tempo de cura e esperança ao qual participam todos os anos os cristãos de todas as confissões: recordando a experiência de vida e de fé de seu irmão, padre Paolo Dall’Oglio, que está desaparecido desde 2013, e o compromisso do jesuíta em refundar o mosteiro de Mar Musa na Síria.

O vídeo do Tempo da Criação

Tema e símbolo, um pensamento para o padre Paolo

A partir de amanhã, 1º de setembro, Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação, até 4 de outubro, festa de São Francisco de Assis, os fiéis de todo o mundo estarão se mobilizando para renovar sua relação com o Criador e toda a criação através da celebração, da conversão e do compromisso concreto. O tema deste ano é: “Uma casa para todos? Renovar o oikos de Deus”, explica a representante do Comitê Diretor Ecumênico Mundial para o Tempo da Criação, que também aponta a Tenda de Abraão como o símbolo cardeal de todos os eventos. “Penso que padre Paolo, meu irmão, ficaria muito feliz em ver tantas Tendas de Abraão instaladas em todas as comunidades do mundo, nos lugares simbólicos de todos os continentes, tantas declarações de compromisso dos cristãos do mundo inteiro em construir uma casa para todos, em renovar os oikos de Deus, para que a hospitalidade, que é o carisma, um dos pilares da comunidade de Mar Musa, possa ser uma linha na qual todos nós nos movamos: hospitalidade é também abrir espaços, apertar outras mãos”.

O padre jesuíta Paolo Dall'Oglio

O padre jesuíta Paolo Dall’Oglio

Na sua última entrevista em árabe, Cecilia Dall’Oglio recorda: “Padre Paolo disse ‘o que não fizermos agora, vai levar muito tempo para ser feito’: sinto – acrescenta a irmã – este pedido para que sejamos ousados agora, não pararmos dizendo ‘sempre foi feito assim’. Este Tempo da Criação é verdadeiramente a maior oportunidade para dar este testemunho. Nisto sinto claramente a proximidade do meu irmão, que não queria perder aquele momento oportuno até o dom total de si mesmo”.

Como São Francisco

Focalizando a questão “Uma casa para todos?” do tema central, Cecilia Dall’Oglio destaca o quanto é urgente “iniciar um processo de conversão ecológica”: é necessário, explica, que “nossas comunidades parem e reflitam: que rezem ao Senhor para dar-lhes o dom da sabedoria, da razão, do discernimento para entender se estão realmente, como comunidade, construindo uma casa para todos”. “’Renovar os oikos de Deus’ vem de tomar consciência- acrescenta – de que a terra é do Senhor, como tudo o que está nela. Esta terra, esta casa comum, como o Papa Francisco a chama na Laudato si’, este oikos é feito de relações: sabemos que o Criador deu ao homem uma vocação especial para custodiar, cuidar da sua casa, por isso somos chamados juntos para apoiar as corretas relações ecológicas, sociais, econômicas e políticas”.

Cecilia Dall’Oglio com os jovens de Agesci
Cecilia Dall’Oglio com os jovens de Agesci

Portanto, até 4 de outubro, o Tempo da Criação será “uma oportunidade que não se pode perder para reparar esta casa, como São Francisco foi chamado a fazer. A pandemia, que no momento não está afetando as pessoas da mesma maneira, trazendo à tona desigualdades ainda maiores, nos mostrou mais uma vez como esta casa, nossa casa, está em ruínas”. Foi o que recordou o Papa Francisco mais uma vez, no Angelus do passado domingo, sublinhando como o grito da Terra e o grito dos pobres se “tornam cada vez mais graves e alarmantes”, conforme evidenciado na Encíclica Laudato si ‘de 2015, e exigem “uma ação decisiva e urgente para transformar esta crise em oportunidade”. Por isso é necessário urgentemente como definiram os bispos italianos – em sua Mensagem para o 16º Dia Nacional da Custódia da Criação, também amanhã – “uma transição que transforme profundamente nosso modo de vida”.

O Tempo da Criação encoraja a renovar a relação com Deus e tudo o que nos rodeia
O Tempo da Criação encoraja a renovar a relação com Deus e tudo o que nos rodeia

Christina Leaño, diretora associada e co-fundadora do Movimento Laudato si’, também ressalta que este é um compromisso que une os cristãos de todo o mundo. Nos últimos sete anos”, afirma, “trabalhamos lado a lado com parcerias ecumênicas, o Conselho Mundial de Igrejas, representantes da Comunhão Ortodoxa, a Igreja Anglicana, os Luteranos e outros, para nos unirmos como seguidores de Cristo no cuidado de nosso planeta”. O resultado foi uma “motivação mais forte para uma colaboração ecumênica” que se traduziu em ações concretas, “desde peregrinações ao longo de rios locais no Canadá até congregações religiosas empenhadas em reduzir o consumo de carne”, de participações a mobilizações pelo clima de jovens de todo o mundo até a inclusão de temas relativos à criação “nas liturgias dominicais na América Latina”.

A carta de Dom Duffé

No sexto aniversário da encíclica “Laudato si”, em 24 de maio passado, Dom Bruno-Marie Duffé, secretário do Dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral, em uma carta convidou todos os fiéis a promover o Tempo da Criação nas paróquias e comunidades locais, incentivando todas as realidades eclesiais a difundir seu espírito, “ajudando os fiéis a serem conscientes de que viver a vocação de ser guardiães da obra de Deus é parte essencial de uma existência virtuosa, não algo opcional ou mesmo um aspecto secundário da experiência cristã”, como afirmou o Pontífice na encíclica (217). O Tempo da Criação, destacou Dom Duffé, é também “um momento fundamental para os católicos elevarem a voz dos mais vulneráveis e se mobilizarem a seu favor em vista das duas importantes cúpulas da ONU”: a Conferência da das Nações Unidas sobre Biodiversidade (Cop15), programada de 11 a 24 de outubro na China, e a Conferência sobre Mudança Climática (Cop26), em Glasgow, de 31 de outubro a 12 de novembro. O secretário do Dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral também exortou os fiéis a aderirem a “iniciativas de mobilização como a petição ‘Planeta Saudável, Povo Saudável‘, apelando fortemente para uma ação corajosa para proteger a criação”.

O objetivo da petição, acrescenta Cecília Dall’Oglio é “pedir planos ousados aos governos para tornar realidade as promessas do Acordo de Paris”. Nossos Animadores Laudato si’, presentes em todo o mundo, estão treinando para se tornarem promotores de petições, para que em cada evento realizado para o Tempo da Criação, possam ser coletadas muitas assinaturas e assim serem cada vez mais numerosos ao exigir políticas diferentes”.

Crise e deslocamento climático

Foi o Papa Francisco em seu prefácio às Diretrizes Pastorais sobre o Deslocamento Climático, quem indicou que não sairemos da crise como a do clima ou a crise da Covid “fechando-nos no individualismo, mas somente estando juntos, através do encontro, do diálogo e da cooperação”. O representante do Movimento Laudato si’, que apresentou o documento na Sala de Imprensa da Santa Sé, lembra como ele destaca “a importância de promover campanhas de informação e programas pastorais que ressaltem a gravidade da crise climática e do deslocamento climático, focalizando a face humana da crise e a necessidade de ações urgentes”, combinando assistência humanitária, educação para a reconciliação, proteção dos direitos e da dignidade, oração, liturgia e apoio espiritual e psicológico.

Os jovens de Agesci armaram sua tenda em Assis, diante da Basílica de Santa Clara
Os jovens de Agesci armaram sua tenda em Assis, diante da Basílica de Santa Clara

A tenda

Entre as iniciativas da edição de 2021 está “Uma tenda para todos”, com um convite para armar barracas em lugares simbólicos. A Agesci, Associação Italiana de Guias e Escoteiros Católicos, o fez na Praça Santa Clara, em Assis. A presidente, Barbara Battilana, recorda que ali mesmo, na Basílica, “está conservado o Crucifixo de São Damião, diante do qual o Pobrezinho de Assis estava rezando quando recebeu o pedido do Senhor para reparar a sua casa”. Para os jovens da Agesci, assegura, “daquele ponto parte um exemplo e uma referência contínua para poder montar as barracas em todos os lugares e transmitir a mensagem de cuidar da nossa casa comum, não como uma empresa individual, mas comunitária”.

Uma canção dos jovens de Agesci em Assis

“Por outro lado, a Tenda de Abraão”, confirma Cecilia Dall’Oglio, “nos lembra que o Senhor armou sua tenda no meio de nós. Enraizados na fé de Abraão, atravessamos as dificuldades e sabemos como ter uma visão de esperança que nos caracteriza como cristãos. A tenda”, acrescenta, “está aberta em todos os lados porque acolhe, é um espaço de diálogo e é somente no diálogo com todos, inclusive com os não-crentes, que podemos com os outros credos ter sucesso na construção da casa comum. É também o símbolo da essencialidade, da leveza, de uma pegada no chão que não deixa uma marca ecológica pesada para as gerações futuras. A tenda também nos recorda dos que não têm um teto sobre suas cabeças, nos recorda dos refugiados, pensamos em nossos irmãos e irmãs sírios que estão há 10 anos em campos de refugiados no Líbano”, em uma ligação especial que une o Tempo da Criação com o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado, em 26 de setembro.