Seis países começam a receber vacinas da Índia, mas Brasil fica fora da lista

Por Agência Rádio 2

 

Começa nesta quarta-feira, o envio de carregamentos da vacina de Oxford-AstraZeneca contra a Covid-19, produzida na Índia, para seis países.

O Brasil, que aguarda a liberação de dois milhões de doses do imunizante adquirido pela Fiocruz, não está na lista.

Em comunicado, na terça-feira, o governo indiano anunciou a exportação para Butão, Maldivas, Bangladesh, Nepal, Mianmar e o arquipélago de Seicheles.

Há, ainda, outros três países na fila, que aguardam trâmites legais para receber o produto: Sri Lanka, Afeganistão e Ilhas Maurício.

Ao que parece, o Brasil está ficando cada vez mais atrás nessa lista.

O texto do Ministério das Relações Exteriores afirma que a Índia faz um esforço contínuo para fornecer o imunizante a todos os países do mundo.

Mas que leva em conta requisitos internos, a demanda e as obrigações internacionais.

Inclusive, é de lá que será atendida a aliança global – o Covax Facility – para abastecimento de 165 países carentes.

Não houve qualquer referência à entrega ao Brasil, que chegou a preparar um avião adesivado sobre o tema, que sequer chegou a decolar de Recife.

O voo foi cancelado e frustrou a expectativa do governo Bolsonaro de iniciar o Plano Nacional de Vacinação, que tinha o dia D, anunciado pelo ministro Pazuello, nesta quarta-feira.

Sem as vacinas da Índia, o país segue com as doses da CoronaVac, produzidas pelo Instituto Butantan, mas ainda insuficientes para garantir a cobertura vacinal em todos os estados.