Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Santo do Dia: São João Antônio Farina

História:

Educação de valor
A providência acompanhou João Antônio Farina desde a sua infância, na Itália, para que em tudo pudesse ser bem formado. Recebeu de seu tio paterno, padre Antônio Farina, um grande sacerdote da época, uma sólida formação. Tio esse que João considerava um mestre da espiritualidade.

Formação sacerdotal
Aos quinze anos já se encaminha para o seminário diocesano de Vicenza (Itália), onde era reconhecido pelos colegas de estudos por sua capacidade intelectual e bondade de coração. Aos 21 anos, ainda como estudante de Teologia, foi designado professor no seminário onde lecionou por 18 anos. Manifestava seu dom para o Ensino. Ordenado em 1827 continua sua trajetória com a educação chegando a assumir a direção da escola pública.

Dom a serviço
Em 1831, como pároco em São Pedro Vicenza, iniciou trabalhos com escola popular de educação moral e cristã para meninas. Logo percebe a necessidade de professoras consagradas ao Senhor e dedicadas inteiramentes a Ele. Então, em 1836, funda a Congregação das Irmãs Mestras de Santa Dorotéia – Filhas dos Sagrados Corações. Essas seriam irmãs que cuidariam da educação por amor a Deus e a educação. O Espírito Santo o impulsiona e ir além e em 1840 começou a educação de meninas surdas e mudas. Em 1849 a de meninas cegas. Também projetou assistência a doentes e idosos, iniciando-a em 1846 em abrigos, hospitais e domicílio.

Confirmar na Verdade
Em 1850, foi nomeado Bispo de Treviso com as palavras: “digno pela razão e pela virtude deste grave ministério”. Com grande impulso de educar e cuidar dos mais pobres, permaneceu trabalhando fortemente pela educação, catequese e o crescimento espiritual do povo de Treviso. Foi conhecido como “bispo dos pobres”.

Espiritualidade e ação
Propagou a devoção aos Sagrados Corações de Jesus e Maria, consagrando suas paróquias à eles. Lutou contra a imprensa irreligiosa e sustentou a propagação da imprensa católica e de valores morais.

União ao Santo Padre
Participou ativamente do Concílio do Vaticano I onde foi aliado no dogma da infalibilidade Papal. Também junto ao Papa Leão XIII, defende a recitação do Santo Rosário e a peregrinação aos locais marianos.

Morte e Santidade
Sua páscoa para a vida eterna foi em 4 de março de 1888, deixando ao cuidado do Sagrado Coração 330 freiras, com 25 aspirantes e 42 noviças. A Congregação jpa estava em 48 cidades.
Foi beatificado em 2001 pelo Papa João Paulo II e proclamado santo pelo Papa Francisco em 2014.

Congregação no Brasil
Hoje as Filhas dos Sagrados Corações estão presentes no Basil em três estados: Maranhão, Pará e Minas Gerais.

Lema de vida: A verdadeira ciência consiste na educação do coração, isto é, no prático temor de Deus.

Oração oficial
Senhor, fizestes da longa vida de São João Antônio Farina a medida de uma caridade universal e o enriquecestes com a arte de doar-se aos pequenos, aos pobres e aos enfermos. Ele respondeu, vivenciando, com humilde coragem o vosso Evangelho, tornando-se, na vossa Igreja, a imagem viva do vosso amor. Concedei-nos, Senhor por intercessão dele, a graça de que necessitamos. Reze três vezes o ‘glória ao Pai’.

A minha oração
“Senhor, mais do que multiplicar palavras, que minhas ações sejam coerentes ao que pulsa nos Sagrados Corações de Jesus e Maria. Amém”.

São João Antônio Farina, rogai por nós!


Outros beatos e santos que a Igreja faz memória em 04  de março:

  1. São Casimiro, conhecido pelo zelo na fé, na castidade e na penitência, na benignidade para com os pobres e na piedosa veneração da Sagrada Eucaristia e da bem-aventurada Virgem Maria, e, ainda jovem morreu vítima da tuberculose na Lituânia [† 1484]
  2. Santos Fócio, Arquelau, Quirino e outros dezessete mártires na Turquia [† s. III/IV]
  3. São Basino, primeiro foi monge, depois abade de São Maximino de Tréveris, e Bispo na Alemanha [† 705]
  4. Santo Apiano, monge na Itália [† s. VIII]
  5. São Pedro, dedicou sua juventude a vida monástica, foi eleito bispo de Policastro, porém regressou ao mosteiro, onde foi constituído abade e restaurou admiravelmente a observância religiosa [† 1123]
  6. Beato Humberto, terceiro conde da Sabóia, que, constrangido a abandonar o claustro para presidir à governação civil, praticou fervorosamente a vida monástica, à qual pouco tempo depois regressou [† 1188]
  7. Beatos Cristóvão Bales, presbítero, Alexandre Blake e Nicolau Horner, mártires na Inglaterra [† 1590]
  8. Beata Maria Luísa (Isabel de Lamoignon Molé de Champlatreux), viúva, mãe de S. Luís e fundadora das Irmãs da Caridade de São Luís na França [† 1825]
  9. Beata Plácida (Eulália Viel), virgem, que resplandeceu pelo seu zelo e humildade no governo da Congregação das Escolas Cristãs da Misericórdia na França [† 1877]
  10. Beato Roberto Spiske, presbítero diocesano, fundador da Congregação das Irmãs de Santa Edviges na Polônia [† 1888]
  11. Beatos Miecislau Bohatkiewicz, Ladislau Mackowiak e Estanislau Pyrtek, presbíteros e mártires na Polônia [† 1942]
  12. Beato Zoltan Lajos Meszlényi, bispo e mártir na Hungria [† 1951]