Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Santa Casa de São Carlos tem abraço simbólico em ato da Campanha “Chega de Silêncio”

Assessoria de Imprensa da Diocese de São Carlos – 20/04/2022

 

O objetivo é pedir ajuda devido ao subfinanciamento da tabela SUS

A Santa Casa de São Carlos realizou na tarde desta terça-feira (19) um abraço simbólico no hospital como parte da Campanha “Chega de Silêncio” da CMB (Confederação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos).

Por ser uma campanha nacional, mais de 1.824 instituições de todo o Brasil se uniram neste ato com o objetivo de alertar a sociedade para a grave crise financeira da maior rede hospitalar do SUS e pedir ajuda para a sobrevivência dessas entidades filantrópicas.

Além de São Carlos, a Santa Casa de Araraquara e o Hospital Carlos Fernando Malzoni (HCFM) de Matão também aderiram ao abraço. “Os três são responsáveis por muitos atendimentos de média e alta complexidade de toda a região aos pacientes do SUS. Somente a Santa Casa de São Carlos atende cerca de 400 mil habitantes, não só de São Carlos, mas de outras cinco cidades: Porto Ferreira, Descalvado, Dourado, Ibaté e Ribeirão Bonito”, explicou o Diretor Administrativo e Operações, Mário Calderaro.

Funcionários da Santa Casa e acompanhantes de pacientes se reuniram em frente a provedoria do hospital e fizeram um longo cordão por mais de três quarteirões.

A Santa Casa de São Carlos decidiu não paralisar atividades nessa terça-feira (19) mas realizar um ato de conscientização, mais humano, simbolizado no abraço.

As funcionárias da Santa Casa, Alvanira Oliveira, oficial de provedoria, mais conhecida como Dona Nira, e a Supervisora da Central de Relacionamento, Cleonice Faria, destacaram a importância de abraçar o hospital.

“Esse abraço significa o nosso desejo de manter esse atendimento para a população, o que hoje não está sendo tão fácil”, disse a supervisora.

“A gente gosta muito da Santa Casa e faz de tudo para que, cada vez mais, a instituição progrida e continue a atender toda a comunidade são-carlense”, afirmou Dona Nira.

Desde o início do plano real, em 1994, a tabela SUS e seus incentivos foi reajustada, em 93,77%, enquanto o INPC (índice de preços ao consumidor) foi de 636,07%, o salário mínimo em 1.597,79%, o gás de cozinha em 2.415,94%.

“Os valores repassados, por procedimento para cálculo de repasse e financiamento dessas instituições, não sofrem atualização há pelo menos dez anos. Ou seja, todos esses hospitais, incluindo a Santa Casa de São Carlos, estão subfinanciados e pagando para trabalhar”, destacou o Vice-Diretor Técnico da Santa Casa, Drº Roberto Muniz Júnior.

Atualmente, a Santa Casa de São Carlos acumula um deficit econômico e financeiro nas suas operações SUS de aproximadamente 2 milhões de reais por mês. “Nós estamos buscando ao máximo a redução dos custos internos e de aquisição de materiais e medicamentos. Além da busca de novos recursos e projetos que possibilitem aumentar nossa arrecadação”, conclui o Diretor Administrativo e Operações, Mário Calderaro.