Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Papa: aborto é homicídio. A Igreja deve ser próxima e compassiva, não política

Por VATICAN NEWS – 16/09/2021
Respondendo aos jornalistas no voo de regresso da Eslováquia, o Papa falou do diálogo com as autoridades húngaras, da antissemitismo e das vacinas, assim como da comunhão aos políticos que aprovam leis a favor do aborto.

“O aborto é homicídio” e a Igreja não muda a sua posição, mas “todas as vezes que os bispos administraram um problema não como pastores, tomaram uma posição política”. Foi o que disse o Papa Francisco dialogando com os jornalistas no voo que o trouxe de volta a Roma de Bratislava, concluindo a viagem a Budapeste e Eslováquia.

István Károly Kuzmányi (Magyar Kurír):

Santo Padre, nós lhe agradecemos por sua visita a Budapeste, onde citou o cardeal Mindszenty, que disse: “Se há um milhão de húngaros que rezam, não tenho medo do futuro…”. Por que decidiu participar depois de 21 anos do Congresso eucarístico em Budapeste e como vê o cristianismo na Europa?

Alguém pensou mal a propósito da visita a Budapeste, estava planejada assim, mas prometi ao Presidente de vocês que iria ver o próximo ano o outro para poder vir. São muitos os valores dos húngaros, impressionou-me o sentido do ecumenismo, com uma profundidade grande, grande. Em geral, a Europa – sempre o digo – deve responder aos sonhos dos seus pais fundadores. A União Europeia não é uma reunião para fazer as coisas, há um espírito na base da comunidade que Schumann, Adenauer e De Gasperi sonharam. Há o perigo de que seja somente um escritório de gestão, e isso não funciona, deve ir realmente à mística, buscar as raízes da Europa e levá-las adiante. E todos os países devem progredir. É verdade que alguns interesses, talvez não europeus, tentam usar a União Europeia para as colonizações ideológicas, e isso não está bem. Estive entre vocês na Transilvânia, foi belíssima aquela missa.

Bohumil Petrik (Dennik Standard):

A vacinação dividiu os cristãos na Eslováquia. O senhor afirma que é um ato de amor tomar a vacina, mas houve diferentes posições nas dioceses. Como reconciliar-se sobre este tema?

É um pouco estranho, porque a humanidade tem uma história de amizade com as vacinas: o sarampo, a poliomielite… talvez esta virulência se deve à incerteza, não só da pandemia. Há uma diversidade de vacinas e também a fama de que algumas são um pouco mais do que água destilada, e isso criou medo. Outros afirmam que é um perigo, porque dizem que com a vacina entra o vírus. Também no Colégio Cardinalício houve alguns negacionistas e um destes, pobrezinho, está internado com o vírus. Ironia da vida. Não sei explicar bem, alguns dizem que as vacinas não foram suficientemente testadas. Deve-se esclarecer: no Vaticano, estão todos vacinados, com exceção de um pequeno grupo, que está se estudando como ajudar.

Daniel Verdú Palai (El País):

Domingo pela manhã, o senhor se reuniu com Orban e podem-se compreender algumas divergências. Gostaríamos de perguntar como foi a reunião, se tocaram o tema dos migrantes e o que o senhor pensa a respeito da lei sobre os homossexuais que ele promulgou.

Eu recebi a visita. O Presidente veio até mim, teve esta delicadeza, é a terceira vez que o encontro; e veio com o primeiro-ministro e com o vice-ministro. O Presidente falou. O primeiro tema foi a ecologia, realmente chapeau a vocês húngaros pela consciência ecológica que têm: me explicou como purificam os rios, coisas que eu não sabia. Depois eu perguntei sobre a média de idade, porque estou preocupado com o inverno demográfico. Na Itália, a média de idade é 47 anos, Espanha creio pior ainda, tantos vilarejos estão vazios ou com muitos idosos. Como se resolve? O presidente me explicou a lei que eles têm para ajudar os casais jovens a se casarem, a terem filhos. Interessante, é uma lei que se assemelha muito com a lei francesa, mas mais aprimorada. Ali acrescentaram alguma coisa, o primeiro-ministro e o vice-ministro explicaram-se como era esta lei. Sobre a migração, nada. Depois voltamos sobre a ecologia. A família, no sentido da demografia: vê-se que há muitas pessoas jovens, muitas crianças. Também na Eslováquia, muitos casais jovens. Agora o desafio é procurar vagas de emprego para que não saiam para procurá-las. Mas estes foram os temas… Falou sempre o Presidente, ambos os ministros acrescentam algum dado. O encontro durou cerca de 40 minutos.

Coletiva de imprensa em italiano do Papa Francisco

Gerard O’Connell (América):

Em primeiro lugar, queria dizer-lhe que estamos todos contentes com a cirurgia (referindo-se à cirurgia à qual o Papa foi recentemente submetido), que deu um ótimo resultado, o senhor rejuvenesceu!

Disseram-me que alguém queria fazer a operação…. Mas não foi uma coisa cosmética.

O senhor tem dito muitas vezes que somos todos pecadores e que a Eucaristia não é uma recompensa para os virtuosos, mas um remédio e alimento para os fracos. Como o senhor sabe, nos EUA após as últimas eleições, houve uma discussão entre os bispos sobre dar comunhão aos políticos que apoiaram as leis do aborto, e há bispos que querem negar a comunhão ao presidente e a outros altos funcionários. Outros bispos são a favor, outros dizem para não usar a Eucaristia como arma. O que o senhor pensa e o que aconselha os bispos a fazer? E o senhor, como bispo em todos estes anos, recusou publicamente a Eucaristia a alguém?

Eu nunca recusei a Eucaristia a ninguém, não sei se alguém veio nestas condições! Isto como padre. Nunca tive a consciência de ter uma pessoa como a que o senhor descreve na minha frente, isso é verdade. A única vez que aconteceu uma coisa simpática foi quando fui celebrar a missa em um lar de idosos, eu estava na sala e disse: quem quer comunhão? Todos os idosos levantaram as mãos. Uma velhinha levantou a mão e tomou a comunhão e disse: “Obrigado, eu sou judia”. E eu disse: “Aquele que eu lhe dei também é judeu”. A comunhão não é um prêmio para os perfeitos – pense no Jansenismo – a comunhão é um dom, um presente, é a presença de Jesus na Igreja e na comunidade. Então, aqueles que não estão na comunidade não podem comungar, como esta senhora judia, mas o Senhor quis recompensá-la sem o meu conhecimento. Fora da comunidade – excomungados – porque não são batizados ou se afastaram. Segundo problema, o do aborto: é mais do que um problema, é um homicídio, quem faz um aborto mata, sem meias palavras. Peguem qualquer livro sobre embriologia para estudantes de medicina. Na terceira semana após a concepção, todos os órgãos já estão lá, até mesmo o DNA… é uma vida humana, esta vida humana deve ser respeitada, este princípio é tão claro! Para aqueles que não conseguem entender, eu faria esta pergunta: é correto matar uma vida humana para resolver um problema? É correto contratar um pistoleiro para matar uma vida humana? Cientificamente, é uma vida humana. É correto eliminá-la para resolver um problema? É por isso que a Igreja é tão dura nesta questão porque se ela aceita isto é como se aceitasse o assassinato cotidiano. Um Chefe de Estado me disse que o declínio demográfico começou porque naqueles anos havia uma lei tão forte sobre o aborto que seis milhões de abortos foram realizados e isso deixou uma queda nos nascimentos na sociedade daquele país. Agora vamos à questão daquela pessoa que não está na comunidade, não pode fazer a comunhão. E isto não é um castigo, ela está fora. Mas o problema não é teológico, é pastoral, como nós bispos administramos este princípio pastoralmente, e se olharmos para a história da Igreja veremos que toda vez que os bispos não administraram um problema como pastores eles se posicionaram do lado político. Pense na noite de São Bartolomeu, hereges, sim, cortemos a garganta deles todos…. Pense na caça às bruxas…. no Campo di Fiori a Savonarola. Quando a Igreja para defender um princípio, o faz de forma não pastoral, toma partido em nível político, e este sempre foi o caso, basta olhar para a história. O que o pastor deve fazer? Ser um pastor, não condenar. Ser um pastor, porque ele é um pastor também para o excomungado. Pastores com o estilo de Deus, que é proximidade, compaixão e ternura. A Bíblia inteira assim o diz. Um pastor que não sabe ser pastor… Não conheço bem os detalhes dos EUA… Mas se você se faz próximo, tenro, e der comunhão? É uma hipótese. O pastor sabe o que fazer em todos os momentos. Mas se sair da pastoralidade da Igreja se torna um político, e pode ver isso em todas as condenações não pastorais da Igreja… Se o senhor diz que pode dar ou não dar, isto é casuística. Lembra da tempestade que se armou com Amoris laetitia? Heresia, heresia! Felizmente, houve o Cardeal Schoenborn, um grande teólogo, que esclareceu as coisas… Eles são filhos de Deus e precisam de nossa proximidade pastoral, então o pastor resolve as coisas como o Espírito lhe indica.

Stefano Maria Paci (Sky Tg 24):

Penso que o senhor considerará esta mensagem que estou prestes a lhe dar como um presente, foi-me pedido por Edith Bruck, a escritora judia que o senhor visitou em casa, uma longa mensagem assinada “sua irmã Edith”, na qual ela agradece por seus gestos e apelos contra o antissemitismo durante esta viagem.

O antissemitismo está ressurgindo, está na moda, é uma coisa feia, feia….

O senhor falou sobre isso com as autoridades húngaras e uma resolução veio de Estrasburgo pedindo o reconhecimento dos casamentos homossexuais. Qual é seu pensamento?

O matrimônio é um sacramento, a Igreja não tem poder para mudar os sacramentos como o Senhor os instituiu. Há leis tentando ajudar as situações de muitas pessoas que têm uma orientação sexual diferente. É importante que os Estados tenham a possibilidade de apoiá-los civilmente, de dar-lhes segurança de herança, saúde, etc., não só para os homossexuais, mas para todas as pessoas que queiram se associar. Mas casamento é casamento. Isto não significa condená-los, eles são nossos irmãos e irmãs, devemos acompanhá-los. Há leis civis, por exemplo, para viúvas que querem se associar a uma lei para ter serviços… há o PACS francês, mas nada a ver com o casamento como sacramento, que é entre um homem e uma mulher. Às vezes, criam confusão. Todos são irmãos e irmãs iguais, o Senhor é bom, Ele quer a salvação de todos, mas por favor, não faça a Igreja negar sua verdade. Muitas pessoas com orientação homossexual aproximam-se da penitência, pedem conselhos ao padre, a Igreja as ajuda, mas o sacramento do matrimônio é outra coisa.

Em seguida, o Papa acrescentou:

Eu li uma coisa bela sobre um de vocês. Ela disse que esta jornalista está disponível 24 horas por dia para trabalhar e que ela sempre deixa os outros irem primeiro e ela atrás, ela dá a palavra aos outros e ela fica quieta. Isto foi dito por Manuel Beltran, sobre nossa Eva Fernández, obrigado!