O Papa: combater a miséria criando emprego e não poluir a natureza, abrindo caminhos de cura

Por Mariangela Jaguraba – Vatican News – 17/10/2022
O Papa encontrou cerca de 50 empresários espanhóis e os incentivou a transformar “o rosto da economia com criatividade, para que ela possa estar mais atenta aos princípios éticos”, e a não se esquecerem “de que sua atividade está a serviço do ser humano, não só de poucos, mas de todos, especialmente dos pobres”.

O Papa Francisco recebeu em audiência, nesta segunda-feira (17/10), na Sala do Consistório, no Vaticano, os membros da Confederação Espanhola de Associações de Jovens Empresários e da Confederação Empresários da Galícia. “A presença de vocês aqui hoje é um sinal de esperança”, disse o Pontífice no início de seu discurso.

A seguir, o Papa disse que “estamos vivendo uma época de evidentes desequilíbrios econômicos e sociais”, e recordou as palavras do Concílio Vaticano II na Constituição Pastoral Gaudium et Spes: «Coexistem o luxo e a miséria. Enquanto um pequeno número dispõe dum grande poder de decisão, muitos estão quase inteiramente privados da possibilidade de agir por própria iniciativa e responsabilidade, e vivem e trabalham em condições indignas da pessoa humana».

“Nesse contexto, é urgente propor uma economia adequada para resolver os grandes problemas que vivemos no mundo inteiro”, frisou ele. A seguir, Francisco partilhou com eles três ideias que considera oportunas para o caminhar dos empresários.

Economia e profecia

Em primeiro lugar, a profecia. Na Bíblia, o profeta é aquele que fala em nome de Deus, que transmite sua mensagem, e favorece uma mudança ao seu redor. O Papa recordou Amós, o profeta da “justiça”, que denunciava já no século VII a.C. o desejo de luxo e enriquecimento dos poderosos no povo de Israel, que beneficiava apenas o setor rico, enquanto a grande maioria do povo vivia oprimida.

O Papa com um grupo de empresários espanhóis
O Papa com um grupo de empresários espanhóis

Num contexto tão complexo quanto o atual, marcado pela guerra e pela crise ambiental, cabe a vocês desempenhar seu serviço, como profetas que anunciam e edificam a Casa comum, respeitando todas as formas de vida, se interessando pelo bem de todos e promovendo a paz. Sem profecia, a economia, e em geral toda a ação humana, é cega.

Segundo o Papa, “quando a economia se transforma em finança, tudo se torna líquido ou gasoso”. “Um líder econômico-financeiro mundial, um dia conversando comigo, me disse que procurou, ele ocupava uma posição muito elevada, fazer um encontro entre economia, humanismo e religião, e foi muito bom. Tentou fazer o mesmo entre finança, humanismo e religião, e não encontraram saída”. “Isso me faz pensar muito “, sublinhou Francisco.

Relação com Deus e conversão econômica

A segunda ideia é o cuidado da relação com Deus. Segundo o Papa, quando temos uma boa relação com o Senhor, começamos a dar frutos bons. «Procurem o Senhor, e vocês viverão. Procurem o bem e não o mal, e assim Deus estará com vocês», disse Francisco, citando o profeta Amós.

O heroísmo que o mundo precisa hoje de vocês só pode ser sustentável se houver raízes fortes. A conversão econômica será possível quando vivermos uma conversão do coração; quando formos capazes de pensar mais nos necessitados; quando aprendermos a colocar o bem comum antes do bem individual; quando entendermos que a falta de amor e justiça em nossas relações são consequências de uma negligência da nossa relação com o Criador, e isso também repercute em nossa Casa comum. Então, e talvez só então, seremos capazes de reverter as ações prejudiciais que estão preparando um futuro triste para as novas gerações. Lembrem-se de que cultivar uma relação com o Senhor torna possível ter raízes fortes que sustentarão os projetos que vocês desejam empreender.

O Papa com um grupo de empresários espanhóis
O Papa com um grupo de empresários espanhóis

Combater a miséria criando emprego

A terceira ideia do Papa tem a ver com o trabalho e a pobreza. A esse propósito, o Pontífice recordou o “importante testemunho de São Francisco de Assis, que realizou não só a restauração da capela de São Damião, mas, sobretudo, contribuiu para restaurar a Igreja de seu tempo”. Ele “fez isso com o amor que tinha pelos pobres e com seu modo austero de viver. Com os valores do trabalho e da pobreza, que implicam total confiança em Deus e não nas coisas, pode-se criar uma economia que reconcilie entre si os membros das diversas etapas da produção, sem desprezar uns aos outros, sem criar mais injustiças ou viver uma indiferença fria”. A “miséria deve ser combatida”, disse ainda o Papa, afirmando que os empresários têm “bons instrumentos” para isso, “como a possibilidade de criar empregos, contribuindo para dignificar seus próximos”. De acordo com Francisco, através do trabalho, Deus “ergue da poeira o fraco e tira do lixo o indigente”. Portanto, “temos um remédio para combater a doença da miséria: o trabalho e o amor pelos pobres. Sejam criativos no planejamento do trabalho, sejam criativos e isso lhes dará muito mais força”, sublinhou.

A empresa deve de alguma forma não poluir mais a natureza

O Papa incentivou os empresários a transformar “o rosto da economia com criatividade, para que ela possa estar mais atenta aos princípios éticos” e a não se esquecerem “de que sua atividade está a serviço do ser humano, não só de poucos, mas de todos, especialmente dos pobres”. “É importante que vocês se conscientizem de que não estão acima da natureza, mas que precisam cuidar dela, pois as gerações futuras dependem disso. A sua empresa deve ter, de alguma forma, um cuidado para não poluir mais a natureza, abrindo caminhos de cura“, sublinhou Francisco, dizendo que “ainda está em nossas mãos mudar a tendência de contaminação que está destruindo, está destruindo tudo”.

O Papa concluiu, dizendo que “o bom economista, o bom empresário cuida”, cuida de sua empresa, de seus funcionários e da Casa comum.