Morre aos 84 anos, Jô Soares

Por Erica Roveder – 05/08/2022 – Foto: TV Globo/Zé Paulo Cardeal

 

O apresentador, humorista, ator e escritor Jô Soares morreu às 2h30 desta sexta-feira (5), aos 84 anos. Considerado um dos maiores humoristas do Brasil, o apresentador do Programa do Jô”, exibido na TV Globo, estava internado desde 28 de julho no Hospital Sírio-Libanês, na região central de São Paulo, onde deu entrada para tratar de uma pneumonia.

A causa da morte não foi divulgada. O enterro e velório serão reservados à família e amigos, em data e local ainda não informados.

Em todas as suas inúmeras atividades artísticas – entrevistador, ator, escritor, dramaturgo, diretor, roteirista, pintor… –, Jô Soares teve o humor como marca registrada. Foi seu ponto de partida e sua assinatura no teatro, na TV, no cinema, nas artes plásticas e na literatura. Ele próprio gostava de admitir isso.

Muitos famosos lamentaram a morte de Jô, incluindo sua ex-mulher que publicou um post em suas redes sociais, agradecendo por tudo que ele fez por ela:

“Viva você, meu bitiko, bolota, miudeza, bichinho, porcaria, gorducho. Você é orgulho pra todo mundo que compartilhou de alguma forma a vida com você.”

Agradeço aos senhores tempo e espaço, por terem me dado a sorte de deixar nossas vidas se cruzarem.”

“Obrigada pelas risadas de dar asma, por nossas casas do meu jeito, pelas viagens aos lugares mais chiques e mais mequetrefes, pela quantidade de filmes, que você achava uma sorte eu não lembrar pra ver de novo, e pela quantidade indecente de sorvete que a gente tomou assistindo.”

Carreira:

Jô Soares começou a carreira na década de 1950, com trabalhos para a TV, teatro, rádio e cinema. Participou como ator e roteirista de programas como Praça da Alegria (1956-67), Família Trapo (1967-71), Faça humor, não faça guerra (1970-73), Satiricom (1973-75) e Planeta dos Homens (1976-82).

Ganhou maior notoriedade com o Viva o Gordo (1981-87), grande sucesso na Globo. No fim da década de 1980, assinou com o SBT para comandar o Veja o Gordo (1988-90) e o talk show Jô Soares Onze e Meia (1988-99). Voltou à Globo em 2000 com o Programa do Jô, também dedicado a entrevistas e variedades, no ar até 2016. Ao longo da carreira, fez mais de 15 mil entrevistas.

Escreveu nove livros, incluindo romances a partir da década de 1990, e uma autobiografia em dois volumes, o Livro de Jô, em 2017 e 2018. Em 2016, entrou para a Academia Paulista de Letras, assumindo a cadeira 33. Também firmou-se como ator e diretor de teatro e atuou em dezenas de filmes.

Foi casado entre 1959 e 1979 com a atriz Therezinha Millet Austregésilo, com quem teve um filho, Rafael Soares (1964-2014), que era autista. Entre 1980 a 1983, viveu com a atriz Sílvia Bandeira. Namorou ainda as atrizes Claudia Raia, de 1984 a 1986, e Mika Lins, em 1987. Daquele ano até 1998, foi casado com a designer gráfica Flávia Junqueira Pedras.