Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Medicamentos vão ficar mais caros se texto da reforma do imposto de renda for mantido

Por Agência Rádio 2 – 03/09/2021

 

Indústria farmacêutica prevê aumento de até 12 por cento no preço dos medicamentos de uso contínuo, se a reforma do imposto de renda passar também no Senado.

Para compensar a redução da alíquota do IR, o texto aprovado na Câmara dos Deputados acaba com a isenção do PIS e da Cofins para produtos de saúde.

A lista inclui 18 mil apresentações de remédios, alguns deles para tratamento da hipertensão, diabetes, câncer e Aids.

Em entrevista ao Valor, o presidente do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos, o Sindusfarma, Nelson Mussolini, diz que o benefício fiscal é concedido a 67% dos medicamentos tarjados.

Segundo ele, a medida poderá impactar produtos hospitalares como agulhas, ampolas e seringas.

Pelos cálculos da Sindusfarma, com o fim do benefício fiscal, o orçamento do Ministério da Saúde deverá aumentar em um bilhão e meio de reais.

Na avaliação de Mussolini, poderá faltar dinheiro para manter programas como o Farmácia Popular.