Falta de um plano nacional dificulta implantação do lockdown no Brasil

Por Agência Rádio 2 – 08/01/2021

 

Adotado na China e em países da Europa, o lockdown impõe regras mais duras para tentar conter o avanço da Covid-19.

No Brasil, ele poderia ajudar a diminuir a curva ascendente de casos, avalia o infectologista da Fundação Oswaldo Cruz, a Fiocruz, Julio Croda.

Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, o pesquisador diz que o lockdown não precisaria ser adotado em todo o País.

Ele esclarece que o confinamento mais rígido pode ser feito com base na avaliação do cenário epidemiológico e a taxa de ocupação dos leitos de UTI em cada região.

No entanto, o infectologista Julio Croda lembra que diante da postura do governo federal, de não incentivar o isolamento, o mais possível para o Brasil será a proteção por meio da vacina.

A posição é reforçada pelo sanitarista da Fiocruz Claudio Maierovitch, que cita a falta de um plano nacional como uma das principais dificuldades para a implantação do lockdown.

O especialista lembra que alguns prefeitos e governadores chegaram a adotar medidas semelhantes, mas faltou o respaldo governo federal.

Para Claudio Maierovitch, o lockdown poderia ser um caminho para salvar a saúde.