Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Em meio à alta dos combustíveis, motoristas de aplicativos devolvem 30 mil carros que alugavam para trabalhar

Por Agência Rádio 2 – 25/10/2021

 

Cerca de 30 mil motoristas de aplicativos devolveram carros que alugavam para trabalhar nos últimos meses.

De acordo com a Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis, conhecida pela sigla Abla, os motoristas de aplicativo alugavam 200 mil veículos das locadoras no início do ano passado e, hoje, o segmento aluga cerca de 170 mil.

A principal explicação para a queda seria a alta dos preços dos combustíveis, especialmente gasolina e etanol.

A gasolina comum, por exemplo, que era vendida em janeiro ao preço médio de R$ 4,62, segundo monitoramento da ANP, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, está sendo comercializada no país, neste mês de outubro, ao preço médio de  R$ 6,27, o litro.

O litro etanol, por sua vez, saltou de R$ 3,22 para R$ 4,82, também na média, no mesmo período.

Em muitas localidades do país atendidas pelas empresas de aplicativos, os usuários têm relatado dificuldades para conseguir motoristas para uma corrida.

Os aplicativos negam a falta de carros, mas as associações que representam a categoria confirmam que há uma debandada – os custos subiram e os ganhos não acompanharam – a conta, para muitos, deixou de fechar.

Apesar do cenário, a Abla acredita que, até o ano que vem, o preço do combustível sofra recuo, o que vai possibilitar que o setor volte a ganhar impulso com o aluguel de automóveis para motoristas de aplicativos.

A expectativa é que o número de veículos alugados, que hoje gira em torno dos 170 mil, aumente para até 250 mil em 2022.