Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Desemprego recua, mas Brasil ainda tem 14,4 milhões de pessoas em busca de trabalho

Por Agência Rádio 2 – 31/08/2021

 

A taxa de desemprego recuou nos meses de período de abril, maio e junho.

De acordo com dados divulgados nesta terça-feira pelo IBGE, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o nosso país terminou o segundo trimestre do ano com taxa de desocupação em 14,1%, redução de 0,6 ponto percentual em relação ao primeiro trimestre de 2021.

Ainda assim, são 14 milhões e 400 mil pessoas na fila por trabalho.

De acordo com o IBGE, a queda na taxa de desempregados foi influenciada pelo aumento no número de pessoas ocupadas.

São 87 milhões e 800 mil trabalhadores no país, 2 milhões e 100 mil pessoas a mais do que o registrado nos meses de janeiro, fevereiro e março.

O nível de ocupação subiu 1,2 ponto percentual. Alcançou 49,6% da população, ou seja, menos da metade das pessoas com idade para trabalhar está ocupada no nosso país. Este indicador está abaixo de 50% desde o trimestre terminado em maio do ano passado.

O crescimento da ocupação no segundo trimestre deste ano ocorreu em várias formas de trabalho, mas o IBGE deu destaque positivo à entrada de 618 mil pessoas no contingente de empregados com carteira.

Outro destaque foi o trabalho por conta própria, que atingiu o patamar recorde de 24 milhões e 800 mil pessoas. São 3 milhões e 200 mil pessoas a mais trabalhando por conta própria, na comparação com o mesmo período do ano passado.

A taxa de informalidade também cresceu na comparação anual.

Os informais são aqueles trabalhadores sem carteira assinada, sem CNPJ e até mesmo trabalhadores sem remuneração.

Eles somaram 35 milhões e 600 mil pessoas, numa taxa de 40,6% no trimestre que acabou em junho.

Há um ano, o contingente era de 30 milhões e 800 mil pessoas. Ou seja, no segundo trimestre deste ano, são 5 milhões de pessoas a mais na informalidade.