Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Defesa Civil calcula prejuízos de R$ 44 milhões causados pela última enchente

Os prejuízos causados pela enchente de quinta-feira (26) somam quase R$ 44 milhões, segundo a Defesa Civil de São Carlos (SP).

Os alagamentos afetaram diversas áreas residenciais e comerciais na região da baixada do Mercado Municipal e nos bairros Jardim Bicão, Lagoa Serena e Vila Carmem.

A estimativa é baseada no Formulário de Informações de Desastre (FIDE), que foi finalizado nesta terça-feira.

A chuva deixou 18 pessoas desalojadas. o levantamento da Defesa Civil aponta que 32 casas foram afetadas, sendo que três foram totalmente destruídas, e  seis carros foram arrastados pela força da água, totalizando um prejuízo de R$ 700 mil.

Na região central da cidade, local mais atingido, o alagamento provocou danos em 130 lojas, com 33 veículos arrastados pela força da água.

O levantamento aponta, que o prejuízo do comércio, que compreende das lojas instaladas nas ruas Geminiano Costa, Jesuíno de Arruda, Episcopal, Nove de Julho e José Bonifácio, foi de R$ 42 milhões entre mercadorias, infraestrutura dos prédios e veículos danificados.

De acordo com Pedro Caballero, a mobilização de recursos humanos no trabalho de socorro e assistência de reabilitação dos locais afetados, contou com uma ajuda humanitária de 250 pessoas voluntárias, 68 pessoas do setor de Segurança Pública, 14 pessoas da equipe de busca, resgate e salvamento, 120 pessoas de obras públicas e serviços gerais, além, do apoio de 14 pessoas da equipe de Saúde e da Cidadania e Assistência Social.

Durante a vistoria nos locais, o Secretário de Serviços Públicos, Mariel Olmo, salientou que todo o serviço de recuperação será feito com recursos próprios da prefeitura.

Além dos bens dos cidadãos de São Carlos, a enchente afetou o patrimônio público.

Segundo outro levantamento, realizado por engenheiros e técnicos da prefeitura, os estragos chegam a R$ 1,2 milhão.

Os valores levantados farão parte do Decreto Emergencial, pelo qual haverá a contratação das empresas para a recuperação de pavimentação das ruas que tiveram o asfalto arrancado, além de recuperação de calçadas, sistemas de drenagens, galerias de águas pluviais e galerias de esgotos.