Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Curiosidades das Olimpíadas: A História da Ginástica Artística

Por Erica Roveder – Arte: Léo Neves – 05/08/2021

 

Ginástica Artística

A ginástica artística está presente nos Jogos Olímpicos desde a primeira edição da era moderna, em atenas 1896. Os gregos da antiguidade acreditavam que a ginástica artística era a junção perfeita entre mente e corpo e a praticavam para a manutenção da boa forma física. Ela também era ensinada como uma preparação para outros esportes,

Nos jogos Atenas 1896, reunindo atletas de apenas cinco países, que competiram em quatro aparelhos. Em Amsterdã 1928, as mulheres também passaram a competir, participando de uma única prova por equipes.

Na ginástica artística, a cada prova o atleta é avaliado de acordo com a dificuldade da série e a execução dos movimentos. Tanto os homens como as mulheres competem na soma de pontos, individualmente e por equipe.

 

A ginástica artística engloba várias provas, no masculino e no feminino. São elas:

Masculino
– Solo
– Cavalo Com Alças
– Argolas
– Salto Sobre O Cavalo
– Barras Paralelas
– Barra Fixa

Feminino
– Solo
– Salto Sobre O Cavalo
– Barras Assimétricas
– Trave

 

Primeira medalhista

A romena Nadia Comaneci encantou o mundo nos jogos olímpicos de Montreal 1976. Ela foi a mais jovem ginasta a ganhar medalha e a primeira a obter nota 10 na ginástica artística feminina. Ao todo, Nadia conquistou nove medalhas olímpicas.

A primeira brasileira a ser campeã mundial foi Daiane dos Santos, em Anaheim 2003. A gaúcha, que tinha o solo como especialidade, se tornou um dos principais nomes da modalidade no início do século 21. Daiane criou dois movimentos que foram eternizados pela Federação Internacional de Ginástica (FIG) e hoje levam o seu nome: o Duplo Twist Carpado (Dos Santos I) e o Duplo Twist Esticado (Dos Santos II). Além de Daiane dos Santos, a ginastica brasileira também foi composta por Daniele Hypolito, Jade Barbosa, Ethiene Franco, ambas medalhistas em mundiais e Pan-namericanos.

A primeira medalha olímpica da história da ginástica artística do Brasil foi dourada. Nos jogos olímpicos de Londres 2012, Arthur Zanetti superou o chinês Chen Yibing e levou o ouro nas argolas. Mas foi na edição do rio 2016, que os brasileiros conquistaram a maior número de pódios na modalidade: duas pratas e um bronze. No solo, Diego Hypolito levou a prata e Arthur Nory, o bronze. Nas argolas, o campeão olímpico Zanetti garantiu a prata.

E foi nas olimpiadas de Tóquio que a tão esperada medalha veio, com a paulista Rebeca Andrade de 22 anos. Ela fez história e conquistou 2 medalhas olímpicas, a primeira conquista foi na prova de individual geral, ao som de Baile de Favela, ela ficou com a medalha de prata, se tornando a primeira ginasta a faturar um pódio na categoria das olimpiadas. Já na salto Rebeca conquistou a medalha de ouro e se tornou a primeira brasileira a vencer duas provas na mesma edição de jogos olímpicos. A brasileira foi a única a conquistar média acima de 15.000, outro fato histórico.

Já na ginástica masculina, não houve medalhas, na primeira participação em olimpíadas, os brasileiros Caio Souza e Diogo Soares disputaram a final individual geral masculina, prova mais completa da modalidade. Os ginastas terminaram nas 17ª E 20ª Colocações, Respectivamente, Entre Os 24 Atletas que chegaram à Decisão.

Entre os meninos da ginástica artística, o experiente e campeão olímpico Arthur zanetti também disputou uma final. Dono de uma medalha de ouro nos jogos de londres-2012 e de prata na rio-2016, o ginasta tentou buscar a terceira medalha olímpica nas argolas. Zanetti errou ao sair do exercício e obteve uma nota baixa na final do aparelho, terminando em oitavo lugar.