Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

“Construir pontes”: Papa em diálogo on-line com estudantes universitários da América

Por Padre Modino – CELAM – 22/02/2022
Emilce Cuda: “É maravilhoso que o Papa esteja naquelas pequenas janelinhas, quase sentado a uma mesa, escutando seus jovens”.

Nesta quinta-feira, 24 de fevereiro, o Papa Francisco se encontrará com estudantes universitários de toda a América para “colocar os estudantes das universidades, de forma sinodal, não só no sentido de caminharem juntos, mas como Povo de Deus a partir de seu sensus fidelium, para discernir um mundo melhor “, segundo Emilce Cuda, secretária da Pontifícia Comissão para a América Latina (CAL), que é um dos organizadores do evento.

A CAL quer “construir uma ponte entre o Norte e o Sul para facilitar este diálogo sinodal”. Trata-se de entrar num caminho de conversão, de mudar mentalidades, levando à assunção de estruturas democráticas, a uma inversão do “desenvolvimento científico-tecnológico, que está destruindo a Casa comum, que é o corpo de todos”, de acordo com a teóloga argentina.

Emilce Cuda vê neste evento uma oportunidade de encontrar nos olhos dos estudantes universitários, em seu discernimento, a palavra que ele vai dizer. Um encontro que ela considera maravilhoso, ainda mais porque “o Papa estará naquelas pequenas janelas, quase sentado à uma escrivaninha, escutando seus jovens”. Num diálogo intergeracional e sinodal, onde não pode faltar a presença do Espírito Santo, “o que permite este discernimento para um mundo melhor”.

Estamos no limiar de algo que pode ser considerado histórico. Pela primeira vez, um Papa estará sentado com um grupo de estudantes universitários, virtualmente, para discutir o futuro da geopolítica na América. Como podemos entender este encontro na atual situação social, econômica, política e religiosa que o mundo está passando?

Eu colocaria dentro da proposta de Aparecida, que, diante de uma cultura de morte, a proposta era de uma cultura de vida, que o Papa Francisco traduz em uma cultura de encontro.

As pessoas estão pensando na grande reforma do Papa, pensando nas instituições do mundo. E o Papa está pensando no corpo místico, e essa grande reforma é realmente o velho tema da conversão, que é uma conversão de toda uma cultura, de todo um povo, o Povo de Deus. E as universidades fazem parte dessa cultura, são o fruto dessa cultura, e são elas que influenciam a transformação dessa cultura.

Faz parte da missão da Igreja trazer os estudantes das universidades, de forma sinodal, não apenas no sentido de caminharem juntos, mas como Povo de Deus a partir de seu sensus fidelium, para discernir um mundo melhor.

A senhora fala de conversão. Poderíamos dizer que na Igreja, esta conversão é entendida como algo interno, e que Francisco insiste que o objetivo da conversão deve antes de tudo afetar o que se vive fora da Igreja, fora do templo?

Em termos seculares, diríamos tomada de consciência, ou processos de autoconscientização. Em termos de fé, falamos de conversão. Ninguém no mundo político diria que alguém tem que se converter da direita para a esquerda ou da esquerda para a direita. Conversão é um termo que vem da fé, e tem a ver com colocar o inversor, juntos, indo para trás, iniciando o caminho do retorno, do retorno ao Pai, o caminho da bem-aventurança. É o velho tema da literatura, é a conversão.

Neste caso, temos que voltar atrás e fazer um caminho de retorno, por exemplo, na esfera política, às estruturas democráticas. Algo que foi reivindicado na Igreja Católica a partir de Pio XII. Temos que reverter o desenvolvimento científico e tecnológico, que está destruindo nossa casa comum, que é o corpo de todos nós.

Estamos em um momento em que o pecado deve deixar de ser pensado apenas em termos de concupiscência, onde o próprio corpo ou o corpo de outro indivíduo é atacado, mas um pecado que está atacando o corpo de todos, que é o corpo natural, que é a casa comum.

Todos estes termos, que lidamos de forma natural, e que parecem ser apenas católicos, também têm seus pares no mundo secular. A conversão é uma conversão que tem que ser feita pelo Povo de Deus. Os estudantes são muito importantes, não só os estudantes, mas também os pesquisadores, os professores universitários, porque são eles que põem em marcha um desenvolvimento que às vezes é a favor da vida e às vezes é a favor da cultura da morte.

Para alguém que conhece o Papa Bergoglio desde que ele foi arcebispo de Buenos Aires, a senhora está surpresa com este tipo de iniciativa, que ele tenha tomado tempo para sentar e ouvir os jovens universitários, ou poderíamos dizer que é uma continuação, de uma maneira diferente, de seu hábito de pegar o metrô ou os ônibus em Buenos Aires e ver a vida do povo, nas favelas ou em outros ambientes que fazem parte da realidade da capital argentina?

Entendo absolutamente que se trata de uma continuidade. O Papa não só gosta de estar com os jovens, ele fez um documento maravilhoso para os jovens, onde lhes diz que se quiserem saber do que se trata, vão e se apaixonem. O Papa disse que, para escrever e viver suas homilias, “procurei em seus olhos a minha palavra”, disse ele. Este é o título do livro do Spadaro, que reúne todas as homilias do Bergoglio. Ele diz lá que encontra as palavras que vai dizer, nos olhos do outro. Este encontro face a face com estudantes universitários implica encontrar em seus olhos, em seu discernimento, a palavra que ele vai dizer.

Naturalmente, isto não é novidade para os pontífices, João Paulo II foi muito bem-sucedido com os jovens. Apenas a praça pública mudou, hoje a praça pública não é um palco com milhões de pessoas cantando diante dele, mas é um espaço virtual, ao qual não estamos confinados apenas por esta pandemia. Isto teria acontecido de qualquer forma porque é o produto de um salto tecnológico qualitativo. A única coisa que a pandemia fez foi acelerá-la. É maravilhoso que o Papa esteja naquelas pequenas janelinhas, quase sentado a uma escrivaninha, escutando seus jovens.

Poderíamos dizer que é um diálogo entre gerações, entre alguém que está no final de sua vida e aqueles que são chamados a construir o futuro da humanidade, do continente americano?

É um diálogo em três dimensões, uma intergeracional, outra sinodal, porque no final é o Bispo de Roma, o Santo Padre, conversando com outra parte do Povo de Deus, que são os estudantes, que estão nas universidades, católicos e não católicos, nossos estudantes estão em todas as universidades. E, em terceiro lugar, por ser uma reunião sinodal, há um terceiro convidado à mesa, que é a terceira pessoa da Trindade, o Espírito Santo, que permite este discernimento para um mundo melhor.

O que significa para a Pontifícia Comissão para a América Latina, da qual a senhora foi nomeada secretário na semana passada, realizar um evento deste tipo e promover este tipo de encontro entre o Norte e o Sul, sempre construindo pontes com a Cúria, neste caso com o Papa?

Significa uma grande mudança, que tem a aprovação do Papa Francisco e do cardeal Ouellet, onde a CAL deixa de ser apenas uma ponte de comunicação entre a Cúria Romana e as Igrejas particulares no que diz respeito à fé e à religião, mas também contribui para o diálogo Norte-Sul, pois, como Comissão para a América Latina, nossos fiéis latino-americanos se encontram em todo o continente, e isso faz com que seja pertinente que também cuidemos de nossos fiéis no Norte, e que também construamos uma ponte entre o Norte e o Sul para facilitar esse diálogo sinodal.