Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Cenário observado por economistas é de mais inflação, mais juros e menor crescimento econômico do Brasil este ano

Por Agência Rádio 2 – 14/09/2021

 

Mercado financeiro continua prevendo alta no custo de vida da população brasileira.   

Pela vigésima terceira semana seguida, as instituições ouvidas pelo Banco Central elevaram a expectativa de inflação para 2021.     

De acordo com a edição mais recente do boletim Focus, que é o documento do Banco Central que, semanalmente, traz as projeções do mercado sobre os principais indicadores econômicos do país, o custo de vida do brasileiro vai subir 8% este ano.   

Na semana passada, a previsão era de inflação ligeiramente superior a 7,5% e, há 4 semanas, a expectativa era de que os preços subiram 7,05%   

A previsão para 2021 se mantém, assim, acima do teto da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC este ano. 

A meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, pela previsão atual do mercado financeiro, a inflação deve ultrapassar, e muito!, o limite superior, que é de é de 5,25%.  

Em agosto, segundo dados oficiais do IBGE, a inflação desacelerou para 0,87% em agosto, contra 0,96% no mês anterior. Ainda assim, com o  resultado do oitavo mês do ano, que, apesar do recuo, foi a maior alta para o mês de agosto em 21 anos, o IPCA acumulou altas de 5,67% no ano e de 9,68% nos últimos 12 meses.   

Entre os outros indicadores econômicos listados pelo boletim Focus, destaque também para taxa de juros e PIB.    

O mercado elevou a aposta em de relação à  Selic, que é a taxa básica de juros da nossa economia e principal ferramenta do Banco Central para o controle da inflação. Até a semana passada, a aposta era que a Selic encerrasse o ano em 7,5%, agora subiu para 8% ao ano.  

Já a perspectiva em relação ao PIB voltou a cair. Há 4 semanas estava em 5,28%, na semana passada já tinha caído para 5,15% e agora a principal aposta é que o PIB brasileiro encerre o ano corrente com crescimento de 5,04%. 

No resumo, o cenário observado pelos especialistas, neste momento, é de mais inflação, mais juros e crescimento econômico menor.