Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Bate boca, ofensas e ameaça de prisão marcam depoimento de Fábio Wajgarten na CPI Covid no Senado

Por Agência Rádio 2 – 13/05/2021

 

Depoimento de Fabio Wajngarten, ex-secretário de Comunicação no governo Bolsonaro à CPI da Covid no Senado, na quarta-feira, foi tumultuado, com agressões, acusações e até ameaça de prisão do depoente.

A sessão teve ao menos dois momentos de grande estresse entre senadores.

No início da oitiva, o relator Renan Calheiros (MDB-AL) questionou as declarações de Wajngarten e o acusou mentir à CPI, com declarações diferentes das que havia dado à revista Veja.

O assunto era a compra de vacinas da Pfizer, que segundo afirmou o ex-secretário, a oferta da farmacêutica ficou parada por dois meses no governo.

No trecho, o diálogo é triangulado pelo presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), Renan Calheiros e Fabio Wajngarten.

Depois de algumas horas, já no fim da tarde, o clima voltou a esquentar na CPI, ainda sobre as acusações da manhã.

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) filho do presidente, foi à Comissão e se exaltou e novo bate-boca provocou outra paralisação na sessão.

As contradições de Fabio Wajngarten levaram o presidente da CPI, Omar Aziz a anunciar o envio o depoimento ao Ministério Público para apuração de possível falso testemunho.

Nesta quinta-feira, a CPI ouvirá a presidente da Pfizer no Brasil, Marta Díez e o ex-presidente da farmacêutica, Carlos Murillo.