Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

66% das famílias estavam endividadas em novembro; quase 26% têm dívidas em atraso

Por Milena Abreu, da Agência Rádio 2 – 04/12/2020

 

A quantidade de famílias endividadas ficou praticamente estável na passagem outubro para novembro.

De acordo a Peic, Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, a CNC, o percentual de famílias que têm dúvidas caiu de 66,5% para 66%, um recuo de meio ponto percentual, portanto.

Entram na estatística famílias com parcelamentos no cheque pré-datado, no cartão de crédito, no cheque especial, em carnê de lojas, em empréstimo pessoal e também em prestações de casa e carro – mesmo que o pagamento esteja em dia.

Mas também caiu, na comparação mensal, o total de brasileiros com alguma dessas dívidas ou contas em atraso, o chamado índice de inadimplência: o recuo, nesse caso, foi de 0,4 ponto percentual e o índice em novembro ficou em 25,7%.

Apesar da queda, segundo a CNC, a inadimplência continua acima dos patamares de 2019. Em novembro do ano passado, para comparação. 24,7% das famílias estavam inadimplentes – diferença de 1 ponto percentual.

O levantamento sobre o mês de novembro de 2020 revelou, ainda, queda na quantidade de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso.

Eram 11,9% em outubro e somaram 11,5% no mês passado.

O estudo ainda revelou que o tempo médio de atraso na quitação das dívidas das famílias inadimplentes é de 62 dias e meio, mas quase 43 em cada 100 famílias demoram mais de 90 dias para quitar dívidas atrasadas.

O cartão de crédito continua senda principal modalidade de endividamento das famílias, seguido dos carnês e do financiamento de veículos.